Publicado em Deixe um comentário

Nosso balanço de 2017

Que palavra eu poderia usar para definir este ano que se encerra? Foram tantas e tão diferentes coisas que uma única palavra não encerra tudo o que nele ocorreu. Certamente, porém, não foi o mais produtivo em se tratando dos estudos das crianças. Fiquei muito aquém do que gostaria, preciso confessar. Mantivemos o básico do básico: as leituras de estudo da Chloe, as aulas de piano, intensivos de latim (graças ao prof. Rafael Falcón), a alfabetização do Benjamin, e, eventualmente, aulas de matemática para ambos. Do meio para o fim do ano, Gustavo retomou as aulas de história e passou a ministrar a catequese ao Bibi.

Isto que é uma das grandes vantagens do HS, a vivência e o convívio familiar, por vezes traz também dificuldades: em decorrência da grande quantidade de trabalho que surgiu, igualmente feito em casa e igualmente realizado por mim e pelo Gustavo, acabamos não conseguindo manter o ritmo das aulas das crianças. Para mim, isso foi muito frustrante e desanimador, mas em lugar de chorar sobre o que está feito, convém aprender com os erros, reavaliando nossas limitações e reorganizando a rotina mais uma vez.

No entanto, apesar de tudo, conquistamos uma grande vitória familiar, isto é, nossa vida espiritual, enquanto família, com a maravilhosa graça de Deus, galgou mais um degrau. Sim, pois se nos falta tempo, é preciso priorizar: decidimos buscar primeiro o Reino e a sua justiça, na esperança de que tudo o mais nos seria acrescentado. Tanto eu quanto Gustavo já tínhamos nossas rotinas e práticas individuais de devoção, de modo
que a única coisa que fazíamos em família – todos juntos – no tocante ao crescimento espiritual eram, além da frequência às Missas, as orações antes
das refeições e as orações noturnas. Assim, mudamos, paulatinamente,
nossas práticas familiares, inserindo pouco a pouco elementos que
acabaram se tornando decisivos a todos nós. Como disse acima, algumas
dessas atividades já eram feitas individualmente, contudo, o fato de passarem ser realizadas junto com as crianças acabou conferindo uma regularidade extremamente frutuosa, além de fixar mais um momento de comunhão familiar.


A primeira modificação foi a inserção de uma oração matinal espontânea,
onde agradecíamos pela noite tranquila, por mais um dia de vida, pedíamos a Deus sua condução, entre outras coisas. Algum tempo depois, vendo o interesse das
crianças na vida dos Santos, passamos a ler sempre, também pela manhã, a
história do Santo do dia (utilizamos os dois volumes de Na luz perpétua), então seguida pelas orações. Passado algum
tempo, inserimos a recitação do terço ao final da tarde. E aqui é
importante fazer algumas observações: os mais novos, Nathaniel e
Philomena, não rezam de fato, mas ficam junto conosco, em nossos braços,
ou ao nosso redor, ouvindo nossas preces, memorizando-as e
habituando-se àquela rotina espiritual. Ou seja, eles não ficam em
outro cômodo ou brincando de outra coisa. É a hora de falar com Nosso Senhor e com Nossa Senhora e, embora não tenham uma grande capacidade de concentração, já têm
condições de, aos pouquinhos, ir internalizando algum senso de
reverência. Quanto aos maiores procuramos dar-lhes a conhecer as passagens dos Evangelhos
correspondentes a cada mistério do dia – principalmente ao Benjamin,
pois Chloe já conhece toda a história.

Assim, embora não tenhamos cumprido um programa propriamente dito, o fato de termos priorizado o que é realmente mais importante e buscado realizar, na medida do possível, as demais coisas, redundou em uma profusão de graças que nos fez avançar efetivamente: Benjamin não só foi alfabetizado como aprendeu sozinho a discernir as letras minúsculas do alfabeto de forma (eu havia ensinado apenas as maiúsculas), e já lê qualquer coisa que não esteja em letra cursiva; além disso, apesar das poucas aulas, dominou facilmente adição, subtração e frações; já a Chloe deslanchou no piano (e isso também graças a vocês, que contribuíram para a rifa que nos permitiu presenteá-la com um piano de parede), cumpriu todo o cronograma de leituras (que inclui também um fichamento detalhado das obras,), consolidou todo o nível básico do latim e venceu algumas dificuldades matemáticas; Nathaniel finalmente começou a descompactar a fala, a acertar as cores e já identifica todas as vogais, seu som e as escreve também.

Enfim, este não é um post de tipo impressionante, de conquistas retumbantes, de listas imensas e suadas conquistas. Como disse, ficamos aquém, mas, muitas vezes, para avançar realmente é preciso, antes, retroceder um pouco, fortalecendo aquilo que é essencial: a nossa fé. Agradeço muito a Deus pelo desafio de não vencer naquilo que julgava importante para conseguir perceber a preciosidade daquilo que não estava sendo buscado como deveria e que é verdadeiramente indispensável.

Que Deus abençoe a todos nós e continue a nos guiar, em 2018, pelo caminho estreito do seu amor!

Publicado em Deixe um comentário

Nota sobre metodologias em HS

Todos os dias recebo e-mails e mensagens de pessoas que recém descobriram o homeschool, apaixonam-se pela proposta e desejam colocar as mãos na massa assim que terminarem de ler minha resposta. São pessoas que já perceberam que o cerco se fecha cada vez mais rapidamente contra as escolas – pois aquelas que não assumem a agenda revolucionária explicitamente, acabam se tornando alvos de seus agentes -, pessoas que são movidas das melhores intenções e, no entanto, precipitam-se. 

Infelizmente é possível agir pelos motivos certos mas empregando os meios errados. Para citar apenas um exemplo, menciono o que o ocorreu a uma mãe recentemente: tirou sua filhinha da escola sem maiores explicações e, em poucos dias, foi denunciada ao Conselho Tutelar. Tomada de medo e confusão, pedia ajuda num dos muitos grupos sobre o assunto. Se ela tivesse, antes de retirar a criança da escola, pesquisado a fundo, por uma semana que fosse, a respeito das possíveis consequências de sua atitude, teria abreviado em muito seus tormentos.

Mas o assunto aqui é outro, então volto a ele. Os pais e mães recém chegados ao homeschool acreditam muitas vezes que já há uma ampla rede de apoio à prática em nosso país, onde encontrarão associações, sites, e, sobretudo, metodologias e materiais didáticos específicos prontos a serem usados. A maioria se surpreende quando descobre que a nossa realidade é ainda bastante rudimentar: uma única associação, uma infinidade de blogs de famílias, metodologias híbridas e materiais didáticos improvisados – exceto àqueles que têm condições de importar seus livros do exterior. Todavia, meu propósito não é desestimular aqueles que acabam de se aproximar, mas, além de oferecer-lhes um panorama realista da situação, suscitar-lhes uma reflexão necessária.
Antes de decidir-se por uma das muitas metodologias disponíveis à prática da educação domiciliar — para citar algumas, meciono a escolarizada, a clássica, a temática e o unschooling, por exemplo — é preciso que uma coisa fique muito clara: cada pai e cada mãe homeschooler deverá adotar uma postura ativa no processo de ensino dos filhos. Em outras palavras, você pode ter o melhor material didático, o mais completo, o de mais fácil aplicação, e, no entanto, por mais incrível que pareça, isso não garantirá o bom rendimento do seu filho, pois não é somente o conteúdo abordado, mas principalmente o modo como você o abordará que fará toda a diferença. E só um pai e uma mãe atentos e pacientes saberão utilizar as ferramentas disponibilizadas pelo método adotado de uma maneira verdadeiramente proveitosa.

Metodologias são ferramentas, são estratégias, caminhos encetados na busca pela obtenção de determinado fim. Ou seja, entregar à criança as ferramentas certas, mas sem ensiná-la a usar é quase tão contraproducente quanto ofertar-lhe as ferramentas erradas. Metodologias não substituem pessoas. E, no homeschool, os pais são essenciais, principalmente quando as crianças ainda são pequenas ou não sabem estudar por conta própria.

Assim, queridos pais, não se iludam achando que existe um atalho neste caminho de método de ensino e materiais didáticos para homeschool. Melhor dizendo, o único atalho que existe é aquele em que você se oferece como mediador atento e bem disposto, capaz de observar os talentos e fortalecê-los, bem como ajudar na superação das dificuldades, usando de toda a sabedoria disponível em si para fazer cada filho florescer, empreendendo todas as mudanças, adaptações, repetições e inovações necessárias para isso. A outra opção é deixá-lo seguir pelo caminho mais longo e mais solitário.

Publicado em Deixe um comentário

A importância das boas músicas

Tem se tornado cada vez mais difícil passar por aqui e compartilhar coisas que acho que são úteis ou importantes para as famílias homeschoolers. São muitos os projetos nos quais estamos envolvidos, e há ainda novas coisas surgindo, por isso, pela necessidade de priorizar, o blog, que foi o começo de tudo, acaba ficando para trás. Ainda assim, porém, quero compartilhar com vocês algumas coisas bonitas que temos usado e feito por aqui.

Eu e Gustavo, na vida adulta, nunca fomos apreciadores de músicas populares. Sempre que colocamos alguma música, ou é clássica, ou é sacra. Raras vezes Gustavo varia um pouco o repertório acrescentando alguma música regional gaúcha ao menu. Por isso, desde sempre, nossos filhos foram acostumados com boas músicas, ainda que não saibam os nomes dos compositores/autores e das músicas, pois fazemos tudo de maneira muito tranquila e informal.


Assim, vindo a complementar um pouco mais esse hábito, recebemos de uma amiga a indicação de um excelente livro que agora passo adiante para vocês. O llivro é A música erudita, de Ibrahim Abrahão Chaim. 

Obviamente a obra não é completíssima, pois, como em toda seleção, alguns autores ficam de fora, mas vejam vocês como os temas abordados realmente suprem muitas carências, pois fazem conhecidas coisas que, para quem é leigo, podem soar bastante difíceis de entender. Chloe têm adorado e já leu boa parte dele.

Além do livro, recomendo ainda um cd disponível no archive.org chamado A Child’s Introduction to the Orchestra onde há uma música para apresentação de cada um dos instrumentos. É perfeito para quem não conhece ou não consegue distinguir os sons deles, mas, sobretudo, é divertido para as crianças menores.

Para quem ainda não entende a importância de ensinar esse tipo de coisa às crianças, ou melhor, para quem não entende a importância de expô-las a boas músicas e protegê-las dos lixos sonoros que nos cercam, deixo aqui um trechinho de uma aula do prof. Luiz Gonzaga de Carvalho Neto na qual ele explica melhor a questão.

Por último, deixo ainda uma sugestão que alia boa música a desenhos antigos: escreva Silly Simphony Compilation no youtube, escolha um álbum e divirtam-se. Ainda não assistimos todos aqui em casa, mas dos que vimos, gostamos. São fábulas clássicas musicadas, ou então histórias bobinhas com músicas incríveis. O único que não deixo as crianças assistirem é o The Skeleton Dance. Então, pais, antes de colocarem as crianças a assistir, assistam primeiro, por favor, e vejam o que é e o que não é adequado a elas, ok?

Publicado em Deixe um comentário

O caminho das pedras

Àqueles que acabaram de chegar aqui vindos do e-book da Gazeta do Povo, um aviso importante: este nosso humilde blog, embora conte já com mais de quatro anos de publicações, não se presta exatamente ao propósito de guia aos interessados em homeschooling. Aqui, o que vocês encontrarão é algo muito mais próximo de um diário do que qualquer outra coisa, de modo que a utilidade do espaço está em conhecer um pouco sobre a rotina de uma família homeschooler.

Contudo, para não deixar a ver navios quem se interessa de fato sobre o assunto e cogita praticar o homeschool com os próprios filhos, deixo aqui uma sugestão bem mais oportuna: o nosso curso Homeschooling 1.0. Lá encontra-se toda a base para quem realmente quer botar a mão na massa, com aulas específicas sobre questões jurídicas, pedagógicas, metodológicas, históricas, psicológicas, sugestões de materiais e muito mais. Clique no link e confira!

Publicado em Deixe um comentário

4 anos, Dante, 1,2,3

Hoje o blog completa quatro anos de atividade! Embora soe piegas, não é falso dizer que encontramos e continuamos a encontrar muita alegria neste caminho. É verdade que as postagens por aqui diminuíram, e isto fundamentalmente por conta das demais frentes de trabalho que desenvolvemos (se quiser conferir, veja aqui e aqui), mas o dia a dia do homeschool permanece firme e forte, abundante em bons frutos.

Assim, venho compartilhar com vocês, nossos fiéis leitores, a recente descoberta de dois livros que podem ajudá-los com os estudos das crianças.


Ainda que eu evite tanto quanto possível as adaptações (e nesta palestra eu explico o porquê), o primeiro deles é uma versão adaptada para crianças de Divina comédia. “Oh! Meu Deus! A Divina comédia para crianças! As pobrezinhas terão pesadelos!”. Sim, eu também tive receio e até guardei o livro em um primeiro momento (não em função da Chloe, mas pensando no Benjamin), contudo, o próprio Benjamin foi atrás do livro e, folheando-o, ficou interessadíssimo. Desde então temos lido umas quatro páginas por dia, ele tem gostado muito e em momento algum teve medo ou pesadelos. Pelo contrário, o livro nos deu ocasião para falarmos sobre muitos pecados, sobre a justiça e misericórdia divinas.

Enfim, percebi que a Divina comédia, ainda que adaptada, tem sido uma boa introdução ao clássico de Dante e uma fonte de reflexões importantes e necessárias. Para quem pretende utilizar a metodologia clássica no homeschool, trata-se de uma boa ferramenta para um primeiro contato, para uma visão geral do conteúdo do livro. Sem mencionar as excelentes, maravilhosas ilustrações. Claro, cada pai e mãe precisa avaliar se tal obra convém aos seus filhos na idade em que estão ou não. Além dela, há ainda A Ilíada, A Odisséia, A Eneida e Os cavaleiros da távola redonda na mesma coleção, pela Editora Paulinas.

O segundo livro foi indicação da amiga Waleska Montenegro (seu perfil é
um verdadeiro baú de excelentes sugestões de materiais e livros para
crianças menores) e o temos usado com o Nathaniel, agora que ele
resolveu “escrever letras”. Trata-se do Aprendo a contar,
que serve, basicamente, para treinar o traçado dos números infinitas
vezes, pois sua superfície é plastificada e permite que apaguemos o que
foi escrito. Além dele, há também o Aprendendo a ler, que
trabalha o traçado das letras. Ambos são bilingues, o que auxilia
àqueles que querem introduzir algum vocabulário em inglês nas atividades
das crianças.

A única coisa ruim é que a caneta que acompanha o livrinho veio completamente esgotada, de modo que temos usado uma caneta molhada para fazer os exercícios (mas uma canetinha comum deve resolver o problema, imagino eu).

Espero que as sugestões tenham sido úteis. Até breve!

Publicado em Deixe um comentário

Lançamento e promoção

Neste último domingo, finalmente veio a público um trabalho no qual estamos há bastante tempo investindo: a expansão do Selo Homebooks da Editora Concreta. Agora, além de prosseguirmos publicando “Os fabulosos livros coloridos”, de Andrew Lang, publicaremos também, num sistema de adesão por assinatura, um box mensal com uma porção de itens úteis, instrutivos e divertidos para as crianças.

Para começar, resolvemos resgatar a antiga e excelente enciclopédia infantil O tesouro da juventude. Relendo e revisando seu conteúdo, entregaremos aos assinantes um fascículo de aproximadamente 100 páginas com aqueles conteúdos que ainda hoje se mantém atuais e relevantes aos nossos pequenos. Será O melhor do Tesouro da Juventude.

Além do fascículo, concretizaremos ainda um antigo sonho meu: a publicação da primeira revista sobre homeschooling do país. Nosso objetivo é, mais do que informar, também auxiliar na formação das famílias praticantes ou simpatizantes da educação domiciliar em nosso país, explicando conceitos, contextualizando fatos, expandindo horizontes etc.


Para divertir a criançada, um jogo exclusivo será enviado mensalmente, ajudando também na fixação dos conteúdos apresentados no fascículo.

Como não poderia deixar de ser, um brinde surpresa e um cupom de desconto para utilizar com outros produtos da Editora Concreta serão também enviados no mexmo box. No entanto, e para melhorar ainda mais, os 200 primeiros assinantes ganham um desconto vitalício na Editora (restam ainda 84 assinaturas promocionais, de acordo com o site).

Por último, entrando no ritmo do mês de aniversário do blog (quatro anos!!!), faremos, como já é tradição, uma promoção dos nosso cursos. Assim, a partir do dia 20 deste mês até o dia 14 de maio, dia das mães, tanto o curso De volta ao lar quanto o Homeschooling 1.0 estarão com 50% de desconto no site do Instituto Isidoro de Sevilha. Nossos demais cursos, disponibilizados aqui mesmo, na aba CURSOS, permanecerão com os mesmos valores, uma vez que já estão bem baratinhos.

Nosso trabalho está crescendo e assumindo novas formas, o que explica também o decrescente número de postagens por aqui. Acompanhe-nos em nossas novas frentes, confira os conteúdos e aproveite os descontos!

Concreta In Box: www.inbox.livrariaconcreta.com.br
Instituto Isidoro de Sevilha: www.isidorodesevilha.com.br

Publicado em Deixe um comentário

De Camões a Ovídio

Na última segunda-feira retomamos oficialmente os estudos. Desta vez, após dois anos trabalhando Os Lusíadas com a Chloe, resolvemos deixá-lo de lado, adotando o Metamorfoses.

E por que deixamos Camões de lado? Primeiro, porque Chloe pediu. Nada contra o texto, nada contra o estilo, nada contra o autor, apenas uma necessidade tipicamente sanguínea de variar e conhecer algo diferente. E considerando que já tínhamos vencido boa parte do texto e das dificuldades por ele apresentadas, não vimos razão para não atender o seu pedido. Segundo, porque queríamos dar um passo além, aumentando a dificuldade das atividades, o que pareceu vir a calhar com a escolha de uma nova obra.

Nestes dois anos fomos até o Canto V, enfatizando fundamentalmente os níveis mais elementares do texto, isto é, a prosódia e a compreensão textual. Trocando em miúdos, lemos muito em voz alta, procurando a melhor pronúncia das palavras bem como o respeito às rimas, explicamos oralmente, copiamos, e fizemos muitas pesquisas junto aos dicionários de língua portuguesa e de mitologia. Eventualmente, quando os versos assim permitiam, fizemos também algumas pesquisas sobre história e geografia. Enfim, nada muito inovador, moderno ou diversificado. O resultado foi um espetacular incremento no vocabulário e uma maior facilidade para compreender textos poéticos e que possuem construções frasais incomuns, diferentes das que usamos ordinariamente.

Quanto às demais materias, vimos um pouco de latim, inglês, história, geografia, ciências, matemática e artes. No entanto, nosso foco é literatura, pois sem ela, sem o domínio da língua mãe em suas formas mais elaboradas, todo o resto não só é prejudicado como, em alguns casos, torna-se inviável.

Hoje encerramos a primeira semana de aulas na companhia das Metamorfoses e estou bastante satisfeita com os resultados até aqui obtidos. Uma das dificuldades acrescidas foi a elaboração de uma paráfrase do trecho estudado no dia. Chloe rapidamente percebeu que enquanto a explicação oral permite uma certa margem de imprecisão e até de incompreensão do texto, a paráfrase não o permite, pois exige uma compreensão completa, plena daquilo que foi lido. Em outras palavras, estamos, aos poucos transitando de uma etapa onde a absorção era o foco para uma etapa em que algo daquilo que foi absorvido precisa ser processado e exposto. E estamos contentes e confiantes. 🙂

Publicado em Deixe um comentário

Dicas de planejamento de homeschooling

Muitas famílias homeschoolers já retornaram às atividades de estudos, mas há muitas que, assim como nós, por diferentes razões, espicharam um pouco mais as férias. Assim, apesar da época já um tanto adiantada, resolvi compilar aqui algumas dicas para quem quer fazer um bom planejamento de estudos para este ano mas tem encontrado alguma dificuldade ou simplesmente não tem experiência no assunto.

Antes, no entanto, de passar às dicas propriamente ditas, convém esclarecer que não abordarei aqui a questão dos materiais (qual é o melhor, qual é o pior, onde comprar, se existe para download, etc.). Nas dicas, meu foco será a família, as pessoas envolvidas no homeschool. Por desimportante que possa parecer, se a família não está funcionando bem, há grandes chances de o seu homeschool fracassar.

Todavia, quem precisar de ajuda na seleção/avaliação dos materiais, ou precisar de algum auxílio mais pontual, sugiro duas possibilidades: ou o nosso curso Homeschooling 1.0, onde oferecemos todo o passo a passo a quem quer começar, ou uma bate-papo pessoal, com hora marcada (e por um precinho camarada) por meio do email encontrandoalegria@gmail.com.

Mas vamos ao que interessa:

1. Em primeiríssimo lugar, respire fundo e pegue leve: consigo mesma, depois, com as crianças. Assim como esta é um novidade para elas, o é também para você. Ou seja, estão todos aprendendo, e ter paciência e sensibilidade é fundamental para um começo tranquilo.

2. Foque em ter bons recursos: sem eles, a mais excepcional das aulas vale muito pouco. Por outro lado, até mesmo sem uma “aula” propriamente dita, bons recursos podem ensinar muito àqueles que queiram aprender com eles.

3. Considere as variáveis familiares: você acabou de ganhar bebê?; está no oitavo mês de gestação?; trabalha meio turno?; quem vai ministrar as aulas é a avó?; tem 3 filhos com mais de 5 anos de diferença entre eles? Todas essas questões (e muitas outras!) definem as especificidades de cada família e precisam ser levadas em conta na hora da estruturação das aulas e do estabelecimento da rotina de estudos. Em outras palavras, a sua família é a sua família, diferente daquelas outras famílias homeschoolers que você conhece.

4. Considere as variáveis individuais: seu filho é pequeno?; agitado?; sua filha sofreu bullying por anos na escola?; o outro morre de preguiça?; ela tem medo de errar?; a outra só quer competir? Embora os assuntos possam ser idênticos, os indivíduos não o são e é preciso que você leve em conta as peculiaridades da personalidade de cada um para perceber como cada um aprende e poder ajudá-lo a ajudar-se.

5. Esqueça a escola: datas, relatórios, provas, trabalhos, horários… Es-que-ça. Não transforme sua sala de estar em uma nova sala de aula porque neste caso restarão poucos locais para onde os seus filhos possam fugir em busca de refúgio. Alguns controles são úteis, mas não precisam ser feitos mantendo aquele estilo burocrático e impessoal do colégio.
6. Esteja aberta: observe como as coisas evoluem. Muitas vezes fixamos metas, e é importante tê-las, mas muitas vezes é preciso corrigir a rota. E não há problema algum nisso, afinal, seu objetivo é que os seus filhos cresçam e aprendam, no ritmo que for, pelo tempo que levar, do jeito certo, a coisa certa.

7. Avalie com serenidade: não se afobe, não se assute. Deixe transcorrer algum tempo até que possa avaliar com mais tranquilidade o caminho percorrido. Se você se apressar e ficar mudando tudo a cada passo, pouco avançará. Assim como se você não parar para avaliar o percurso de tempos em tempos, talvez acabe chegando ao lugar errado.

8. Ajuste: é com a prática que percebemos o que funciona e o que não funciona, e não há como praticar sem colocar a mão na massa. Assim, depois de avaliar, não tenha medo de rever alguns pontos, ou mesmo todos eles. Caso haja dúvidas, volte ao ponto 1 ou entre em contato conosco. 😉

Publicado em Deixe um comentário

Sugestão de Natal

Post rápido, com uma sugestão aos que ainda não conseguiram comprar todos os presentes de Natal.

Links afiliados. 😉

Nesta semana, a grande notícia do mercado editorial foi o lançamento em pré-venda da nova edição do procuradíssimo O livro das virtudes.

Esgotado sabe-se lá há quanto tempo e a peso de ouro nos sebos, a Nova Fronteira finalmente caiu em si e resolveu reeditar os dois volumes em um bonito box.

Trata-se de aquisição indispensável aos homeschoolers, uma vez que é formado por uma excelente compilação de textos clássicos, cuidadosamente separados segundo as virtudes que exemplificam.

O texto é recomendado a crianças grandes, por volta dos 10 anos em diante, e também para adultos, obviamente.

Uma outra vantagem dos volumes é que, graças à sortida seleção de textos, eles nos oferecem muitas boas referências para outras pesquisas.

Enfim, uma boa pedida para o Natal. Clicando aqui você vai direto para a página da Amazon, onde o box está em promoção.

Agora é torcer para que a Nova Fronteira não pare por aí, mas reedite também O livro das virtudes para crianças, O livro dos heróis para crianças e O livro da fé para crianças.

Publicado em Deixe um comentário

O bolo de aniversário e a insegurança

Ter introduzido aulas de arte (tanto de história quanto de observação de quadros e mesmo a prática do desenho) foi uma das melhores coisas que fiz, em termos educacionais, por mim e pelas crianças, nos últimos tempos.
 
Cada uma das modalidades utilizadas traz à tona coisas interessantes sobre as obras, mas também e curiosamente sobre nós mesmos.
 
Hoje, enquanto observávamos “Le gâteau d’anniversaire”, de Victor Gabriel Gilbert, Chloe confessou seus sentimentos de desconforto e de insegurança diante da pintura. Para ela, o fato de o menino estar segurando o bolo é um risco iminente; o correto seria que ele estivesse de mãos dadas com a irmã enquanto a mãe, que é adulta, levasse o bolo. Quando eu teria pensado nesse tipo de crítica? Quando eu suspeitaria desses sentimentos todos diante da simples visão do quadro? Para o Bibi, por outro lado, tudo ali está certo.



Os outros quadros que vimos nas aulas anteriores, seguindo o livro “What do you see“, de Laurie Bluedorn, foram Little Red Riding Hood and Grandmother, de Harriet Backer, e The Dog Cart, de Henriëtte Ronner-Knip. Até o momento, a chapéuzinho é a favorita por unanimidade. 🙂


O livro mencionado continua gratuito para kindle no site da Amazon.